Enfrentar as desigualdades para vencer a pobreza

Blog



A realidade do acesso à água potável no mundo

Tempo de leitura: 3 minutos
 

Você já parou para pensar em como é o acesso à água potável no mundo? A água potável limpa e segura é tão abundante e facilmente disponível que simplesmente a tomamos como garantida. Mas um ato tão corriqueiro de abrir a torneira todos os dias é impensável para milhares de pessoas no mundo.

Segundo um relatório recente do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e da Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada três pessoas no mundo não tem acesso à água potável.

Assim, a falta de acesso à água potável se dá principalmente em regiões de conflitos e crises humanitárias. Por isso, impacta as populações mais vulneráveis, especialmente as crianças. Dados também da UNICEF mostram que crianças morrem mais por problemas derivados pela água não tratada do que por violência. Ou seja, além dos riscos de viverem em áreas de conflito, sem serviços de água, saneamento e higiene, as crianças morrem de desnutrição e doenças evitáveis, como diarreia, febre tifoide, cólera e poliomielite.

Água potável é vida

Uma pessoa só consegue viver três dias sem água, contra 12 dias sem alimentos. Estima-se que cada pessoa precise de 15 litros de água por dia para beber, cozinhar e se lavar, condições mínimas para se ter uma vida digna. A falta de acesso à água potável é uma contagem regressiva para a morte.

Desse modo, em todo o mundo, bilhões de pessoas pobres ainda enfrentam o desafio diário de acessar fontes de água potável: passar inúmeras horas na fila ou caminhar longas distâncias e lidar com os impactos na saúde do uso de água contaminada.

Milhões ficam doentes ou morrem todos os dias porque são forçados a ficar sem esses serviços mais básicos. Assim, doenças causadas por água insegura e falta de saneamento básico matam mais pessoas a cada ano do que todas as formas de violência, incluindo a guerra, tornando este um dos problemas de saúde mais urgentes do mundo.

Acesso à água potável é um direito humano

Em 2010, a Organizações das Nações Unidas (ONU) reconheceu o direito à água limpa e segura como um direito humano essencial para se viver e poder exercer todos os demais direitos.

Na prática, porém, esse direito precisa ser incorporado às leis internas de cada país, o que não ocorre na maioria dos casos.

No Brasil, se reconhece a água potável como um direito humano, mas isso não tem força de lei. No entanto, estão em tramitação no Congresso Nacional Projetos de Emenda à Constituição que visam regulamentar esse direito.

Por isso, é preciso que os países garantam o direito à água potável para suas populações, mas é importante também lembrar que seu uso não é irrestrito. A ONU também alerta que o grande volume de água utilizado pela agricultura e indústria aumentam o risco de escassez no futuro.

Garantir acesso à água potável para enfrentar as desigualdades

Existe desigualdade no acesso à água potável no mundo. O Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos revelou que os mais pobres têm maior probabilidade de ter acesso limitado a água e saneamento adequados.

Isso porque casas urbanas com água encanada tendem a pagar muito menos por litro de água na conta do que pessoas pobres que moram em favelas e que muitas vezes precisam comprar água de caminhões, gastando cerca de 10 a 20 vezes mais.

Dessa forma, quase metade da população que consome água potável de fontes desprotegidas no mundo vive na África Subsaariana, onde apenas 24% dos habitantes têm acesso a água potável segura. Assim, garantir acesso à água potável, além de uma questão de salvar vidas, é também equilibrar uma questão de desigualdades econômica.

O que a Oxfam tem feito em relação ao acesso à água potável?

Garantir acesso à água potável em emergências humanitárias é uma das especialidades da Oxfam no mundo.

Assim, durante emergências, os sistemas de água e saneamento dos quais a população depende frequentemente entram em colapso ou ficam muito sobrecarregados. As pessoas costumam ficar traumatizadas, com fome, desidratadas e exaustas, assim, mais vulneráveis ​​a doenças como diarreia e cólera. Dessa forma, reconstruir suas casas leva tempo e nesse período as pessoas precisam conseguir sobreviver, mas sem água, elas não durariam muito mais que três dias.

Por isso a Oxfam concentra grande parte da sua resposta humanitária em fornecer água e reduzir os riscos à saúde pública. Seus engenheiros especializados em água e profissionais de saúde pública são conhecidos internacionalmente pela rapidez e eficiência no fornecimento de sistemas de abastecimento de água em grande escala e instalações emergenciais de saneamento, mesmo nas circunstâncias mais difíceis.

O acesso à água limpa também está profundamente ligado à pobreza. A escassez de água, a baixa qualidade da água e o saneamento inadequado impactam negativamente a segurança alimentar, as opções de subsistência e as oportunidades educacionais para famílias pobres em todo o mundo, especialmente para mulheres e meninas que passam inúmeras horas buscando água em longas distâncias.

Portanto, para a Oxfam, combater as causas profundas da pobreza significa também abordar essas injustiças relacionadas à água. Apoiamos projetos de longo prazo com soluções sustentáveis ​​para fornecer água potável. Ao cesso à água potável não pode ser um luxo, deve ser para todos, independentemente de quem eles são ou de onde vivem. Não podemos acabar com a pobreza no mundo sem isso.

Categoria:

Ajuda Humanitária

Cadastre-se
Receba nossa newsletter
 


Deixe um comentário


A Oxfam Brasil utiliza cookies para melhorar a sua experiência

Ao continuar navegando na nossa página, você autoriza o uso de cookies pelo site.