Enfrentar as desigualdades para vencer a pobreza

Azedou para a Citrosuco: empresa volta para a ‘lista suja’ do trabalho escravo

Tempo de leitura: 2 minutos

Gigante da laranja foi autuada por manter trabalhadores em situação análoga à escravidão em laranjais de São Paulo

20/12/2018
 

A Citrosuco, uma das maiores produtoras e exportadoras brasileiras de suco de laranja, voltou à lista suja do trabalho escravo do Ministério do Trabalho esta semana depois de a Justiça do Trabalho derrubar uma liminar que a deixava fora do cadastro. Segundo reportagem publicada pela Repórter Brasil, a empresa foi autuada em 2013 por manter 26 trabalhadores em situação análoga à escravidão em dois laranjais em São Paulo.

“A fiscalização [do Ministério do Trabalho e do MPT] constatou que os 26 resgatados, migrantes nordestinos, sofriam restrições à liberdade de ir e vir e estavam sujeitos a condições degradantes de trabalho e moradia. Os trabalhadores relataram, na época, que chegaram à São Paulo com a promessa de que teriam bons salários e moradia, porém contraíram dívidas e viviam em alojamentos sem qualquer estrutura”, diz a reportagem.

A volta da Citrosuco à lista do trabalho escravo é uma vitória para todos que lutam para que nossa comida do dia-a-dia seja produzida sem sofrimento humano, de maneira mais justa e menos desigual, afirma Gustavo Ferroni, assessor sênior de Políticas e Incidências da Oxfam Brasil. “O suco de laranja brasileiro, apesar do sucesso que tem pelo mundo, é um dos exemplos de como a desigualdade é criada. Enquanto poucas empresas controlam o setor e os grandes supermercados ficam com a maior fatia do valor gerado, os trabalhadores e pequenos agricultores mal conseguem sobreviver e ficam sujeitos a situações degradantes de trabalho e violações de direitos.”

Em junho de 2018, lançamos o relatório Hora de Mudar, que propõe mudanças no modelo de negócio dos grandes supermercados, principalmente americanos e europeus, para dar maior transparência sobre a procedência dos alimentos e evitar que nossa comida seja produzida com sofrimento humano, pobreza, discriminação contra as mulheres, más condições de trabalho e salários de fome. Saiba mais sobre o estudo aqui.

Não deixe esse suco azedar! Assine nossa petição contra a desigualdade e o sofrimento humano nas cadeias de fornecimento dos supermercados.

https://www.youtube.com/watch?v=3oScJa1ar6Q
Notícias Relacionadas:
imagem do banner
Cadastre-se
Receba nossa newsletter