Enfrentar as desigualdades para vencer a pobreza

Água é vida: conheça nosso trabalho para garantir água potável e saneamento pelo mundo

Todos os dias, quase 1 mil crianças morrem de diarreia no mundo devido ao consumo de água suja. Essa é apenas uma pequena parcela das quatro milhões de mortes que acontecem todos os anos devido a doenças relacionadas à água e a precárias instalações sanitárias.

Em todo o mundo, mais de 700 milhões de pessoas não têm acesso a água potável e mais de dois bilhões não tem saneamento adequado.

Em situações de emergências, muitas outras vidas são colocadas em risco devido à falta de acesso a condições mínimas de consumo de água limpa e infraestrutura básica de saneamento. Estima-se que cada pessoa precise de 15 litros de água por dia para beber, cozinhar e se lavar.

Por isso, providenciar água limpa às pessoas é uma tarefa fundamental – e a Oxfam tem as habilidades e o equipamento necessário para atender a essa demanda.

Ações imediatas podem impedir que uma emergência se transforme numa crise. Nossos engenheiros são reconhecidos por sua rapidez e eficiência em providenciar suprimentos adequados e em grande escala, bem como equipamentos de saneamento básico que previnem doenças e mortes relacionadas à falta de higiene – mesmo em situações extremas, como cenários de catástrofes naturais como o terremoto no Haiti e as inundações no Paquistão, ambos ocorridos em 2010.

Em cada situação, procuramos encontrar a mais efetiva e eficiente maneira de providenciar água às pessoas. Sempre trabalhamos com pessoas da região afetada, levando em conta necessidades e práticas locais. Asseguramos que os equipamentos sejam desenhados para permitir que as pessoas – principalmente mulheres e crianças – possam manter sua dignidade e se manterem seguras.

Também damos treinamento sobre saúde e higiene básica para assegurar que os equipamentos sejam usados apropriadamente, para prevenir que doenças se espalhem.

Trabalhamos com as comunidades locais para providenciar soluções de longo prazo, que possam reduzir os níveis de pobreza e doenças a um baixo custo. Garantir água limpa pode melhorar a saúde geral e reduzir a pressão sobre recursos de atendimento médico, invariavelmente limitados nessas regiões.

Simples mecanismos de irrigação podem dar início a prósperas lavouras, melhorar as dietas locais e dar às pessoas uma chance de ter uma vida digna.

Água limpa, latrinas e informações sobre higiene na escola podem melhorar inclusive os índices de comparecimento dos estudantes, reduzindo os dias que eles ficam ausentes por doenças, e até melhorar a performance escolar. Escolas têm um papel importante na mudança desejada de atitudes em relação à higiene dentro da comunidade.

Peça teatral ajuda refugiados rohingya a enfrentarem um inimigo mortal

Centenas de crianças rohingya se divertiram em raro momento de alegria assistindo a uma peça que ensina como se manter limpo e saudável no campo de refugiados de Kutupalong, em Bangladesh. Há quase 1 milhão de refugiados rohingya nos campos em Bangladesh, pessoas que fugiram de Mianmar no ano passado por causa da violência extrema no país vizinho. Crianças que viram seus familiares sendo assassinados agora enfrentam outra ameaça mortal – doenças contagiosas.

Há altos níveis de diarreia, infecções respiratórias e doenças de pele nos campos de refugiados em Bangladesh, todos os casos relacionados a questões de higiente e saneamento precário.

A peça, organizada pela Oxfam em parceria com as organizações Artes para Ação e Teatro Unido para Ação Social, ensina às crianças como se manterem saudáveis e como evitar a disseminação de doenças.

como atuamos em emergências

“Eu sempre digo aos meus filhos para lavarem as mãos depois de usarem o banheiro, mas eles nem sempre me escutam”, diz Minara (nome fictício), de 28 anos, que assistia à peça com seu filho de 10. “Pude ver que as crianças realmente gostaram da peça, e espero que agora elas se lembrem de lavar as mãos o tempo todo.”

As crianças fizeram fantoches gigantes que foram usados pelos atores da peça para demonstrar como as moscas transferem bactérias das fezes para a comida.

“Eu não tinha ideia de que as moscas carregassem germes”, afirmou Minara. “Assim que eu chegar em casa, vou cobrir toda a comida e falar para meus amigos sobre isso, para que façam o mesmo.”

O filho de Minara disse ter amado a peça. “A melhor parte foi ver as moscas zunindo em volta do cocô e da comida. Agora sei que moscas em cima da comida não é uma coisa legal.”

https://www.youtube.com/watch?v=gTlMkYMlM-0

Além de oferecer diversão educativa aos refugiados rohingya, a Oxfam e seus parceiros também estão trabalhando duro para garantir uma vida mais digna nos campos em Bangladesh, providenciando a instalação de banheiros químicos e equipamentos de saneamento. Mas nada disso tem serventia alguma se as pessoas não se conscientizarem sobre a importância das boas práticas de higiente no dia a dia, diz Dorothy Sang, da equipe da Oxfam em Bangladesh. “Já temos um grande número de pessoas sofrendo de diarreia severa por aqui – e isso pode ser mortal para as crianças. É importante ajudar não apenas os pais, mas também as crianças, fazer com que entendam como suas próprias mãos, a comida que comem e o ambiente lamacento em que estão vivendo podem ser fonte de bactéria que pode deixa-los doentes.”

“O futuro dessas crianças é muito incerto, mas enquanto estiverem aqui vamos continuar nosso trabalho para mantê-las a salvo de doenças.”

Mais ajuda e recursos são necessários para melhorar as condições nos campos de refugiados para além do básico, e garantir a segurança das milhares de pessoas que vivem nos acampamentos. Ao mesmo tempo, a Oxfam está exortando a comunidade internacional a trabalhar em conjunto para encontrar uma solução de longo prazo para o povo rohingya. Isso inclui esforços diplomáticos para acabar com a violência e políticas discriminatórias em Mianmar, que são a fonte de toda essa crise.