Enfrentar as desigualdades para vencer a pobreza

Guia Juventudes nas Cidades: instrumento de conhecimento e defesa de direitos

Um evento na sede do bloco Ilú Obá De Min com a participação do grupo Samba Negras em Marcha marcou o lançamento em dezembro do Guia Juventudes nas Cidades em São Paulo. O material também já foi lançado no Distrito Federal, Recife e Rio de Janeiro. 

A publicação, elaborada pela Oxfam Brasil em parceria com Ação Educativa, Ibase, Fase PE, Fase RJ, Inesc e Instituto Pólis, oferece material diverso para os jovens exercerem e defenderem seu direito à cidade. No guia, há informações sobre leis, políticas públicas e oportunidades profissionais e de formação gratuitas. A publicação é resultado de debates e oficinas com jovens de diferentes grupos e coletivos das quatro cidades do projeto. 

“O Guia Juventudes nas Cidades é importante porque expõe como as desigualdades afetam especificamente os jovens”, diz Ananda King, assessora de políticas e incidência da Oxfam Brasil. “Somos um dos países mais desiguais do mundo, como reforça nosso último relatório País Estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras. E a juventude, que compreende a faixa entre 15 e 29 anos, segundo o Estatuto da Juventude, está entre as principais vítimas do desemprego, do déficit educacional e da violência”, explica Ananda.

A juventude, diz Ananda, é acima de tudo um agente de mudança que apresenta para a sociedade novas formas de discutir os problemas gerados pelas desigualdades. “Os jovens nos provocam a pensar em novas soluções, com base naquilo que estão experimentando em suas realidades cotidianas. Observar e aprender com os jovens também significa contribuir para pensar em soluções maiores para o conjunto da sociedade brasileira.”

Guia São PauloBaixar
Guia RecifeBaixar
Guia Rio de JaneiroBaixar
Guia Distrito FederalBaixar
Nota de falecimento – Giovanna de Moura

É com profunda tristeza que a Ação Educativa, Instituto Pólis e Oxfam Brasil receberam a notícia do falecimento da jovem Giovanna de Moura na noite de quinta-feira, 24 de maio. Com 21 anos, ela foi atropelada na região do Butantã, próximo à sua residência. Atriz e dançarina, Giovanna fazia parte do Levante Mulher, coletivo que denuncia a violência contra a mulher através da arte, principalmente do teatro, e do bloco afro Ilú Obá de Min.

Era esse ativismo feminista e da luta antirracista, junto com seu talento, doçura e alegria, que ela levava ao Projeto Juventude nas Cidades, espaço de articulação de coletivos juvenis periféricos organizado pela Oxfam Brasil, Ação Educativa, Instituto Pólis, Inesc, Fase-PE, Fase-RJ, Ibase e Criola. No último fim de semana, Giovanna esteve no encontro nacional do projeto, realizado em Recife. Lá contribuiu com debates sobre trabalho, incidência política, combate ao racismo e às desigualdades. “Ao mesmo tempo que foi fortalecedor, foi difícil ouvir as histórias de tantas pessoas, da luta de cada e pelas coisas que passam”, disse sobre o encontro em uma de suas últimas mensagens.

Nesse momento doloroso, expressamos nossa solidariedade a sua família, amigos e companheiras e também reafirmamos a necessidade de que o caso seja rigorosamente apurado. Giovanna de Moura, presente!